História

A FUNDAÇÃO

A Fundação Instituto Feminino da Bahia é uma instituição privada, católica, sem fins lucrativos, com sede no bairro do Politeama na cidade de Salvador. Foi criada em 05 de outubro de 1923, inicialmente como Casa São Vicente, passando a Instituto Feminino da Bahia em 1929, e no ano de 1950 foi transformada em Fundação. 

Em 1923, dona Henriqueta Martins Catharino e Monsenhor Flaviano Osório Pimentel, movidos pela fé e pelo amor ao próximo, assumiram o desafio de contribuir efetivamente para a melhoria da qualidade de vida da população feminina da cidade, especialmente através da educação (básica e profissionalizante) e da ação social. No dia 05 de outubro de 1923 foi fundada a Casa São Vicente, na Praça 15 de Novembro, antigo Terreiro de Jesus, onde funcionava a “Obra de Proteção à Moça que Trabalha”, que contava com uma biblioteca e sala de leituras, uma agência de trabalhos manuais e uma agência de empregos. A Casa São Vicente também contava com uma pensão para moças e um restaurante para senhoras e jovens. 

No dia 08 de dezembro de 1923, Henriqueta Martins Catharino e Monsenhor Flaviano Osório Pimentel, pioneiros e sempre preocupados com a formação, educação e promoção das mulheres baianas, criaram a Escola Comercial Feminina, na qual eram ministrados cursos de curta duração visando estimular o protagonismo da mulher na sociedade da época, com a sua inserção efetiva no mercado de trabalho. Posteriormente, essas atividades educacionais foram ampliadas com a instalação de cursos profissionalizantes e de formação secundária.

Após algumas mudanças de endereço e o crescimento da obra, em 21 de março de 1929 a escola foi oficializada pelo governo, quando passou a se chamar Instituto Feminino da Bahia, e em 27 de junho do mesmo ano obteve a declaração de utilidade pública estadual, através da lei nº. 2.176. No ano de 1950, já instalada na nova sede, situada no bairro do Politeama, a entidade transformou-se em Fundação Instituto Feminino da Bahia, que de acordo com o seu Estatuto presta absoluta adesão a Santa Sé e ao Arcebispo da Arquidiocese de São Salvador e Primaz do Brasil.

Com o objetivo precípuo de desenvolver ações de caráter filantrópico, social, cultural e religioso, desde a sua criação e ao longo de sua existência, a FIFB se destaca pelas ações voltadas à promoção da assistência social, da cultura, da defesa e conservação do patrimônio histórico, artístico e religioso do Estado da Bahia.

Suas ações são alicerçadas em três pilares: a Promoção Social, a Educação e a Preservação do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural, tendo como foco a valorização da mulher. Atualmente, na sede da FIFB funcionam a Biblioteca Marieta Alves, o Museu Henriqueta Catharino (arte decorativa), o Museu do Traje e Têxtil e o Museu de Arte Popular, que reúnem raríssimo acervo e concretizam a finalidade de promoção da defesa e conservação do patrimônio histórico, artístico e religioso do Estado da Bahia.

 

NOSSO BRASÃO E LEMA

O brasão da Fundação Instituto Feminino da Bahia é composto por uma cruz azul, formada de traves largas, sobre um campo dividido em quatro partes, revezando-se as cores de ouro e prata, cores heráldicas da Igreja Católica Romana.

A cruz representa o lema da instituição, In Cruce Salus (Na Cruz a salvação). O lírio prateado no meio da cruz, a estrela prateada no pé da cruz e as duas estrelas pretas nos campos superiores simbolizam a Padroeira da Fundação Instituto Feminino da Bahia, Santa Teresinha do Menino Jesus. Como é de conhecimento, a Ordem dos Carmelitas tem em suas armas uma estrela de cor prata e duas estrelas de cor preta.